Em tempo de crise, aquífero de Taubaté é ‘oásis’

Aquífero de Taubaté tem área aproximada de 2.340 quilômetros quadrados e fica, em média, a 200 metros de profundidade

aquifero

Em tempos que se discute a crise hídrica no país, o Vale do Paraíba tem uma reserva onde sobra água potável. Trata-se de um aquífero subterrâneo localizado em Taubaté, um dos sete do estado de São Paulo.
O aquífero de Taubaté está contido nos domínios da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul em uma área próxima a 2.340 Km², o equivalente a 234 mil campos de futebol, com uma profundidade média de 200 metros, podendo chegar a 400 metros em porções restritas.
Segundo avaliação feita pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado), 72,7% das amostras coletadas no aquífero de Taubaté apresentaram boa qualidade e estavam próprias para o consumo humano. Um pouco abaixo da média do Estado avaliada em 77, 5 %.
O índice teve queda em relação aos últimos anos de 2013 (81,4%) e 2014 (80,5%), segundo a Cetesb, a diminuição pode estar relacionada à estiagem dos últimos anos.
O resultado, de acordo com a Cetesb, foi obtido a partir dos dados levantados pela rede de monitoramento da agência ambiental, envolvendo 282 poços tubulares e nascentes, correspondentes aos sete aquíferos do Estado.
A Cetesb informou que metade do município de São José dos Campos é abastecido com as águas do aquífero de Taubaté. As águas subterrâneas também abastecem total ou parcialmente 80% dos municípios do Estado, atendendo a uma população de mais de 5,5 milhões de pessoas.

ABASTECIMENTO
De acordo com a agência ambiental, os poços subterrâneos fornecem cerca de 30% da água distribuída pela Sabesp na região no Vale. A água fornecida por este tipo de manancial também passa por processo de tratamento e atende aos padrões exigidos pelo Ministério da Saúde.

“Os aquíferos servem como fonte de água alternativa. São muito utilizados em municípios afastados”, afirmou a gerente da divisão de águas subterrâneas e do solo da Cetesb Rosângela Pacini Modesto.
A gerente explica que em Taubaté o principal problema encontrado na água são os coliformes fecais.
“Temos que buscar manter a qualidade para o consumo humano, que é mais restritivo”, explicou a gerente.

POTÁVEL
O geólogo do setor de águas subterrâneas da Cetesb Geraldo Gilson de Camargo destaca a qualidade da água subterrânea armazenada nos aquíferos.

“A água subterrânea é uma água quase pronta que poderia ser usada diretamente, na precaução fazemos a coloração”, destacou Camargo.

Retirada no aquífero aumentou, diz Cetesb
A retirada de água do aquífero de Taubaté é hoje seis vezes maior do que no início dos anos 2000. É o que afirma, o geólogo Geraldo Gilson de Camargo, do setor de águas subterrâneas da Cetesb.
“O crescimento da atividade econômica e o aumento populacional são fatores predominantes para o aumento da exploração de água”, disse.
Segundo ele, com a crise hídrica dos últimos anos, o aquífero teve papel fundamental no abastecimento de água da região. “Os aquíferos mantém o equilíbrio do rio e consequentemente das represas”.

REPRESAS
Com as chuvas do início do ano, as represas da região se recuperaram após a crise hídrica. Depois da região passar 2015 com as represas perto do volume morto, especialmente a de Paraibuna, os quatro reservatórios do Vale conseguiram se recuperar.

A ANA (Agência Nacional de Águas) registrava na sexta-feira índice de 44,03 % do volume útil das quatro represas abastecidas pelo rio Paraíba do Sul. A média do volume útil dos reservatórios neste mesmo período em 2015 atingiu os 18, 01 %. A que mais se recuperou foi a do Funil, que tem 79,48% do seu volume, seguida de Jaguari 59,28%, Santa Branca 34,67% e Paraibuna com 32,40 do volume útil.

AQUÍFEROS
A Cetesb monitora sete aquíferos no Estado: Guarani, Bauru, Serra Geral, São Paulo, Taubaté, Tubarão e Pré-Cambriano

POTABILIDADE
No ano de 2015, 77,5% das amostras atenderam à potabilidade no Estado. Os dados apresentaram queda em relação aos anos de 2013 (81,4%) e 2014 (80,5%)

TAUBATÉ
O Aquífero Taubaté apresentou índice de potabilidade equivalente a 72,7%

Fonte: GAZETA DE TAUBATÉ

 
Home   |   O Laboratório   |   Projetos   |   Colaboradores   |   Publicações   |   Notícias   |   Cursos   |   Contato
UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Campus de Rio Claro
Avenida 24 A,1515, Bairro: Bela Vista,13506-900 - Rio Claro, SP | Fone: (019) 3526-9310 e (019) 3526-9453.
© 2017 - LEBAC - Laborátorio de Estudo de Bacias - CG Propaganda