Pequim afunda, em média, 11 centímetros por ano

Bombeamento excessivo de águas subterrâneas causa afundamento do solo da cidade. Pequim está afundando. O excessivo bombeamento de águas subterrâneas está afetando a geologia da cidade, fazendo com que ela afunde, em média, 11 cm por ano. A situação é mais crítica no centro financeiro da cidade.
 

Pequim afunda, em média, 11 centímetros por ano

Situação mais crítica é no centro financeiro da cidade (Foto: Pixabay)
Fonte: Opinião & Notícia

A conclusão é de um estudo publicado no jornal científico Remote Sensing. O estudo teve como base imagens de satélite analisadas através de uma tecnologia chamada Interferometria por Radar de Abertura Sintética (InSAR), um tipo de radar que monitora alterações geológicas.
Segundo os autores do estudo, o afundamento de Pequim coloca em risco os mais de 20 milhões de habitantes da cidade e terá um grande impacto no sistema ferroviário local. “Atualmente, estamos fazendo uma análise detalhada do impacto do afundamento do solo na infraestrutura crítica (como trens, por exemplo) na planície de Pequim”, disse um email, enviado ao Guardian, pelos autores do estudo Chen Mi, Li Xiaojuan e Roberto Tomas.

Pequim está localizada em cima de uma planície seca, cujo lençol freático se acumulou ao longo de milênios. Conforme a água é bombeada, o lençol freático diminui, o solo se torna esponjoso e fácil de afundar. Segundo o estudo, a cidade toda está afundando, mas a situação é mais crítica no distrito de Chaoyang, centro financeiro onde o número de habitantes saltou desde a década de 1990 e onde foram construídos vários arranha-céus e anéis rodoviários.

Fonte: Opinião & Notícia

 
Home   |   O Laboratório   |   Projetos   |   Colaboradores   |   Publicações   |   Notícias   |   Cursos   |   Contato
UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Campus de Rio Claro
Avenida 24 A,1515, Bairro: Bela Vista,13506-900 - Rio Claro, SP | Fone: (019) 3526-9310 e (019) 3526-9453.
© 2017 - LEBAC - Laborátorio de Estudo de Bacias - CG Propaganda